28 de set de 2010

Cara de palhaço, pinta de palhaço...

Pois é. Mais uma eleição se aproxima. Um momento importante para qualquer nação séria. E que aqui no Brasil, como tudo, vira uma tremenda festa.
Existem algumas coisas, ou melhor muitas, que me incomodam na política brasileira, mas duas em especial me incomodam mais. A primeira é o fato de atuais governantes, sejam eles o presidente, governadores, senadores, prefeitos ou deputados, que estão em atividade, ou seja, recebem salário para trabalhar por e para o povo, estarem participando da campanha política como cabos eleitorais de outros candidatos. Isso é uma temeridade. Eles recebem seus salários e mais outras diversas mordomias como auxílios dos mais disparatados possíveis, para trabalhar e não pra fazerem campanhas para seus amiguinhos e aliados políticos. Se qualquer trabalhador brasileiro, que por sorte esteja empregado com carteira assinada, parar durante seu expediente para ir ao médico por exemplo, tem que levar atestado e em muitas empresas, ainda com o atestado, perde o direito à cesta básica no final do mês. Se atrasar meia hora por problemas no trânsito que tão bem nossos governantes cuidam, com certeza essa meia hora será descontada de seu salário. E os belezas? Passeiam, fazem carreatas, passeatas, comíssios, jantares, convenções, congressos, viagens e mais viagens, e o pior não trabalham, e a gente paga a conta. Somos patrões muito bobos mesmo. É uma autêntica república de bananas.
A outra coisa que me incomoda, e essa incomoda diretamente pois faço um trabalho voluntário, é que, enquanto os parlamentares de nosso país recebem salários altíssimos, e auxílios diversos como moradia, terno etc., pessoas simples que fazem o trabalho que esses senhores deviam fazer e que por total incompetência do Estado têm que se mobilizar, são impossibilitados de receber qualquer salário ou auxílio. Isso mesmo. A justificativa é que existem muitas falcatruas no trabalho voluntário. Sei, no Congresso e no Senado não tem falcatrua, não é mesmo?  Ora, enquanto nossos deputados e senadores, pagos, deixam de votar alguma lei sobre prevenção ao uso de drogas, os manés, como eu por exemplo, têm que se unir para montar instituições que façam esse trabalho e não podem receber um centavo de pagamento, tendo que trabalhar de graça. Parece conversa de bêbado isso! (!)  Por que eles não são voluntários? Queria ver se fosse como na Suiça, onde o parlamentar não é profissional e não recebe nada, se teríamos tantos Tiriricas, Netinhos, Mulheres Pera, KLBs, Ronaldos Esper entre tantos outros, aliás quase todos, se matando por uma vaguinha nessa mamata. Quer dizer, a pessoa de boa vontade que trabalha para ajudar os outros mais necessitados, não pode receber salário, e os bonitões, que não fazem nada e quando fazem é só em benefício próprio recebem salários altíssimos e auxílios? Palhaçada!
E lá vem mais uma eleição no circo Brasil. Quem será o palhaço? Ah, a vaga de palhaço não está aberta, ela já é ocupada por aproximadamente 200 milhões de habitantes!
Tema musical escolhido e adequado ao momento, na belíssima voz de Isaura Garcia.

25 de set de 2010

Olhos do coração

Já pararam pra pensar que as pessoas que amamos nos parecem sempre do mesmo jeito? Como se o tempo não passasse, como se fossem eternamente jovens. Ainda não sei se é nosso cérebro que nos engana, porque nos acostumamos a vê-las com frequência, ou se as vemos somente com os olhos do coração. Talvez as duas coisas. As mães vêm os filhos sempre crianças, e os filhos vêem os pais sempre eternos heróis. Nossos amores, sempre lindos, nossos príncipes e princesas sempre encantados.
Acho que no fundo é uma defesa, porque sabemos que envelhecer é natural mas cruel. É a maior injustiça que o Criador fez com o ser humano, obrigá-lo a assistir sua mãe, seu pai e as pessoas que ama evelhecerem, e saber que um dia todos iremos partir.
Nascemos, crescemos, nos preparamos para a vida, mas não nos preparamos para enfrentar a velhice dos nossos amados. A nossa talvez não importe tanto, mesmo porque não a sentimos intimamente, a alma não envelhece, mas a deles machuca. Por isso os vemos sempre jovens, fortes e belos. É mais fácil viver assim.
Quanto a nós, temos sempre a tendência a nos sentirmos eternamente mais jovens do que a idade cronológica. "Ah, eu tenho 45, mas me sinto com 20!" Todos passamos por isso. Aí derrepente vemos a foto de algum amigo nosso, da mesma idade e nos deparamos com o susto. "Será que estou assim velho também?"
Como é difícil enfrentar o tempo!
Acho que se pudéssemos, todos seguraríamos o relógio um pouco mais, mas não é possível.
Por isso devemos viver, viver muito, amar, beijar, abraçar, tirar proveito de cada minuto, de cada segundo de nossas vidas, de cada instante com nossos amores. São momentos preciosos que não voltam.
Palavras que não falamos, beijos e abraços que não demos, quanta coisa não fizemos? Por isso, por mais cliché que seja, vivamos cada minuto como se fosse o último.
E continuemos olhando com os olhos do coração, que tanto nos fazem bem.
O coração vê além do corpo, ele vê o que realmente amamos nessas pessoas, ele vê o que não envelhece jamais.

"A vontade é impotente perante o que está para trás dela. Não poder destruir o tempo, nem a avidez transbordante do tempo, é a angústia mais solitária da vontade." Friedrich Nietzsche


23 de set de 2010

10 anos...


E desde então, sou porque tu és
E desde então és,
sou e somos...
E por amor
Serei...Serás...Seremos...

Pablo Neruda






21 de set de 2010

Meu grande tesouro

Hoje, durante o almoço na casa de minha mãe, mais uma vez tive a certeza do quanto sou privilegiada na vida. Um simples almoço com duas portuguesinhas que tem tanta história, tanta vida pra contar, que a comida fica completamente em segundo plano.
Minha avózinha, D.Maria como tantas Marias portuguesas, está com 93 anos e nasceu em Leiria. Em sua terra Natal, junto com minha mãe ainda menina, vendiam peixe. E aí está a maravilha do meu almoço. Todos os dias elas me contam um pouco de suas vidas, das tradições do seu, do meu povo. Eu fico encantada vendo aquela figurinha pequenina me contar com tanta lucidez, as suas aventuras e desventuras, com um brilho no olhar que contagia. Uma hora ela conta, outra ela canta. Por vezes ri, e outras tantas chora. Minha mãe acompanha as memórias, e corrige ou acrescenta algumas informações. Um almoço cultural onde aprendo muitas coisas, muitas, é como um ritual.
Hoje comemos peixe, um típico almoço à portuguesa, com batatas cozidas com a casca, e um delicioso azeite português.
E D.Maria começa a contar a sua viagem para o Brasil. Minha mãe já estava aqui, veio sete anos antes de minha avó. Mamãe me conta que a sua avó adotiva, a Vó Môca, mandara dizer à minha avozinha que aqui no Brasil não tinha nada (esperta a Môca). E minha avó então, resolveu se abastecer para a viagem. Ela conta que a bordo do Vera Cruz, navio onde veio grande parte dos portugueses daquela época, trouxe 50 garrafões de 5 litros de vinho, 50 garrafões de 5 litros de bagaceira (uma aguardente feita do bagaço da uva), batatas, melões, peras, carne e linguiça de um porco que ela tinha e que dias antes tinha mandado matar para trazer. Aí ela lembra do porco e da marrã (a fêmea do porco), e me conta de seus bichinhos, e a viagem continua, enquanto saboreamos a anchova com batatas. Na sala de estar, a televisão passa a festa da vindima na tv por assinatura, e começamos a ouvir "Lá em cima está o tiroliro liro, cá embaixo está o tiroliroló..." e eu viajo até Portugal na sala de jantar da casa de minha mãe.
Esse é meu tesouro mais rico, um tesouro que não tem preço, mas tem muito valor. A cada dia me alimento de comida e de cultura, mais que isso, de amor pela história, pela tradição, pelo Fado e por Portugal, que eu só conheço nas memórias delas. Queria poder dividir com vocês o que tem sido minha vida, meus almoços, meus jantares, todas as histórias e memórias que ouço e o tanto que aprendo. Como é rico isso.
Agradeço a Deus todos os dias pela pequena família que me deu, apenas uma avózinha e minha mamy, mas nessa família pequenina, há uma união e um amor tamanhos, que me sinto realmente abençoada. Esse é meu tesouro, que todos os dias eu admiro e dele usufruo.
Você que tem um idoso na família, ou alguém que é imigrante, seja de qual nacionalidade for, ou mesmo brasileiro, já parou para ouvir sua história de vida? Já lhe deu um pouco de atenção? Experimente, tenho certeza que terá muito a aprender e a contar também.
E agora, apresento a vocês um dos meus tesouros:

video

"O conhecimento torna a alma jovem e diminui a amargura da velhice. Colhe, pois, a sabedoria. Armazena suavidade para o amanhã." Leonardo da Vinci

Beijokas




20 de set de 2010

Internet 3D - Brasil mais uma vez em primeiro lugar!

Hoje passei por uma situação surreal. Estou orgulhosa do meu país. Sempre em primeiro lugar em tudo.
É com muito orgulho que anuncio que o Brasil acaba de lançar a verdadeira Internet 3D! Sério, eu fiquei pasma também.
Muito tem se falado sobre a evolução da internet mas hoje eu pude comprovar o peso da tecnologia. Eu enfreitei uma FILA VIRTUAL! Ai que emoção!
Eu conto. Eu precisei entrar em contato com o SAC de uma grande loja de artigos diversos, pois fiz um pedido via internet e não recebi a mercadoria na data informada. Após uma semana tentando falar no 0800 sem sucesso, já que todos os atendentes estavam sempre ocupados (que empresa boa!), resolvi tentar o chat da internet. E descobri por que se chama CHAT (o)! Realmente, é um pé ter que usar esses serviços. E qual não foi minha surpresa quando vi a janelinha me informar que eu era a 9a. pessoa da FILA!!! Hã? FILA? Gente, era só o que faltava, fila na internet. O Brasil que já e campeão em filas, inova mais uma vez. E lá estava eu, me sentindo dentro da loja, com 8 pessoas na minha frente, esperando MEIA HORA para ser atendida. Fantástica sensação. Muito real, nem precisei de óculos 3D!
E o melhor, depois de meia hora esperando na "fila", não consegui descobrir nada sobre meu produto. Ficaram de me dar um retorno em 48 horas. Bem, meia hora para 9 pessoas, deve ter uma multidão então na fila para atender em 48 horas. Se fosse em Portugal essa história já tinha virado piada nacional pros brasileiros.
Agora os senhores advogados do Código de Defesa do Consumidor tem mais uma questão a resolver. O limite de tempo tolerado para espera em filas é valido também para filas virtuais?
Ai Bill Gates, por essa você não esperava!
Ah, o nome da loja? E eu sou louca de contar? Fazer publicidade de graça? Nanani nanã!
Beijokas

17 de set de 2010

Larga do pé do Cabral!

Bem, hoje resolvi falar sobre uma coisa que sempre me incomodou muito, e que me foi relembrada nos últimos dias. Sabe aquela história do presidente atual ter o mérito sobre as coisas boas, mas as ruins são sempre culpa do antecessor? Pois é. É disso que estou falando.
Vamos deixar umas coisas registradas. O Brasil foi descoberto pela frota de Cabral em 1500; o Cabral morreu em 1526 e o Brasil deixou de ser colônia de Portugal em 1822. Ou seja, 510 anos depois do descobrimento, 484 anos da morte do coitado, e 188 anos da nossa "independência", e tem gente ainda pondo a culpa no Cabral por tudo que está errado no Brasil. Tenha dó! Isso é muita cara de pau! Gente, Cabral morreu! Sabiam? Pois é. E já não somos colônia há quase dois séculos. Não acham que está na hora de assumirmos nossa responsabilidade pelas cacas que andamos fazendo?
Eu não posso aceitar essa desculpa ignorante de que somos corruptos por culpa da colonização portuguesa, que a corrupção vem desde lá. Então, e não acabou ainda porquê? Já era tempo!
Não aceito que nossas novas gerações só vejam a colonização como algo ruim e que nos desgraçou para sempre.  Essa semana ainda vieram justificar comigo que a música portuguesa no Brasil é tratada hoje como os portugueses trataram a cultura indígena quando aqui chegaram. Hã? Justificar um suposto ato ignorante de hoje com a ignorância de 510 anos atrás? Essa não dá pra ficar quieta mesmo. Vingancinha ridícula. Óbvio que felizmente eu só ouvi esse absurdo de uma pessoa, porque se uma baboseira dessas se espalha, Deus nos acuda. Bem, é melhor que ser surda (será?). E não é isso que acontece. Não toca porque nós, portugueses e luso-descendentes, não nos esforçamos o bastante para divulgar nossa cultura por aqui. Porque acordos não estão sendo cumpridos como deveriam. Não há retaliações infantis.
Seguinte. Somos brasileiros, descobertos pelos portugueses e colonizados por tudo que é raça. Holandeses, italianos, alemães, portugueses, japoneses. Deixa o Cabral em paz! Somos uma belíssima mistura de raças e a responsabilidade por nossos erros, por nossos fracassos e por nossas vitórias é exclusivamente nossa, de mais ninguém.
Se há corrupção no país, o problema é nosso, nós é que estamos nos roubando uns aos outros. Se o povo é alegre, hospitaleiro e trabalhador, mérito nosso, somos uma Nação independente.
Agora larga do pé do Cabral gente e começa a olhar se o que vocês estão fazendo é muito diferente do que fizeram por aqui no passado. Não dá, não é? É sempre a vidraça do vizinho que está suja.
Desculpem o desabafo, mas não aceito injustiças e uma das coisas que mais me incomodam é a ignorância.
Descansa aí "seu" Cabral.
Beijokas


16 de set de 2010

Meus amigos malucos

Esta é minha homenagem e meu agradecimento a todos os meus queridos amigos, em especial ao meu padrinho e amigo Alex, sua mamy e vovó queridas e a "Help", a amiga Socorro, que são uns anjos e que tão bem me acolheram. Valeu por tudo. Beijos no coração.

"Loucos e Santos - Oscar Wilde

Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.
Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos.
Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo.
Deles não quero resposta, quero meu avesso.
Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim.
Para isso, só sendo louco.
Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças.
Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta.
Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria.
Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto.
Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade.
Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos.
Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça.
Não quero amigos adultos nem chatos.
Quero-os metade infância e outra metade velhice!
Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa.
Tenho amigos para saber quem eu sou.
Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril."

Boca de bueiro, mas muito inteligente

Não resisti, tive que publicar aqui. Os palavrões são inevitáveis.
Parabéns ao autor, Felipe Neto, por ter coragem de expor com tanta clareza, o que a maioria da população gostaria de dizer.




Uma formiga feliz

É como estou me sentindo desde ontem. Formiga porque o que venho fazendo é um trabalho de forminguinha mesmo, de pouquinho em pouquinho, folha a folha, até alcançar meus objetivos. E feliz porque jamais pensei passar pelo que passei ontem. Foi muito, muito gratificante mesmo estar e participar do 6º Encontro de Música e Mídia - na USP, promovido pelo Musimid. Um reconhecimento que sinceramente eu não esperava. Quero agradecer publicamente aos organizadores e participantes, e em especial a Prof.Heloisa Valente que me convidou e que tem me apoiado muito e a Prof.Monica, que também faz um trabalho belíssimo sobre os programas remascentes de rádio portugueses no Brasil. Não imaginava que o que faço pudesse ser notado por tanta gente, e ainda mais por pesquisadores, doutores, enfim, estudiosos. É muito bom e assustador até. Assutador porque eu nunca fiz o que faço para aparecer ou por mim mesma, eu faço e falo tudo por paixão, por amor à cultura portuguesa, ao Fado, e aos artistas emigrantes. Que bom que tem gente ouvindo, e gente que pode fazer algo, formadores de opinião, pesquisadores, intelectuais. Nossa, que bom! Foi uma experiência extremamente importante e fiquei muito emocionada com o carinho e reconhecimento das pessoas. E acho que a lição que fica pra mim é essa, que tudo que é feito com o coração, acaba tocando o coração das pessoas. Valeu, valeu mesmo. Muito, muito, muito obrigada a todos vocês que lá estiveram e aos que, mesmo não estando, tem me apoiado. Um beijo carinhoso!

13 de set de 2010

Feminismo - algo saiu errado!

Não tenho certeza, mas desconfio que quando as mulheres nos final dos anos 60 e início dos anos 70 passaram a lutar por seus direitos, não planejaram bem suas ações. Naquela época Marketing era algo desconhecido, então acho que faltou planejamento. Se tivessem analisando bem os cenários, pontos positivos e negativos, a concorrência, o público alvo, e principalmente se tivessem definido bem o objetivo da campanha, as coisas seriam bem diferentes. Um bem planejado Plano de Marketing seria o ideal. Ou alguém acha que as malucas das nossas mães e avós planejaram realmente o que aconteceu?
Como assim? Elas só queriam ter direitos iguais, maior liberdade e participação nas decisões da sociedade e sobre seu próprio corpo. E o que ganharam? Responsabilidades e mais responsabilidades. Acumularam todos os deveres que já tinham como mulheres com os dos homens, e ganharam alguns direitinhos básicos. Palhaçada! Eu devia processá-las! Lindo, romântico, muito idealista queimarem sutiãs, lutarem pela pílula anticoncepcional, mas e o resto? Eu não me lembro de ter pedido para não receber mais flores, nem poemas, nem serenatas. Não me recordo de ter aberto mão do cavalheirismo e da gentileza. Também não pedi para trabalhar fora, sair do serviço, passar no mercado, pegar as crianças na escola, chegar em casa, fazer o jantar, cuidar das crianças, lavar roupa, limpar a cozinha, ir pra faculdade, voltar, estudar, e ainda ser a mulher cheirosa e amorosa. Entendem o que eu estou falando? Deu errado! ALÔOOO! Mulherada! ALÔOO! Deu errado! Deu tudo errado! E ainda fica aquela sensação de que os homens nos permitiram chegar até aqui. Quanta bondade!
Alguém conhece um bom advogado? Isso devia dar indenização por danos morais!
Bem, mas agora tenho que parar. Acabei a faxina e vim postar aqui, mas ainda tenho que terminar o jantar, depois a minha apresentação de quarta-feira, aí vou limpar a cozinha, deixar umas roupas na máquina pra lavar, fazer a programação da rádio...SOCORRO!!!

12 de set de 2010

Ah, o amor...

... que sentimento é esse que transforma tudo? Que poder é esse que nos domina por completo? Ontem fui a um casamento. Um lindo casamento. Lindo? Mas todos os casamentos são lindos! Sim, mas alguns são realmente especiais. Nos acostumamos a ver o casamento como uma cerimônia social. O vestido da noiva, os padrinhos, a festa, a decoração. E a maioria dos casamentos ultimamente infelizmente é isso mesmo, apenas uma cerimônia, uma encenação que as pessoas acham bonita e querem sempre fazer melhor e mais bonito que o outro. Mas ontem eu vi algo realmente especial. Aquela igreja matriz da cidade, uma igreja imponente, lotada de amigos, era insignificante perto do imenso poder que se sentia no ar. Ali havia amor. A celebração era deles com suas almas, com seus corações e com um poder superior que desenhou os caminhos e escreveu as páginas daquela história. É bom ver que ainda nos dias de hoje, com tanta maldade, com tanta ganância, tanta frieza na humanidade, o amor ainda pode existir, puro, belo, simples e suave. Acredito que todos, assim como eu ontem, nos sentimos abençoados por estarmos presentes num momento tão lindo. Dava pra sentir o amor, dava pra ver no ar, era possível até tocá-lo. Que esse poder se fortaleça a cada dia na vida de meus queridos amigos e que outras pessoas tenham a possibilidade de conhecer essa força magnífica que tudo muda em nossas vidas. Eu conheci, eu conheço, eu a vivo e ontem pude ver que não sou só eu, felizmente.
Um domingo de muito amor a todos vocês e até a próxima.

"Tão bom morrer de amor e continuar vivendo".
Mário Quintana


10 de set de 2010

Reflexões de sexta-feira

Que me perdoem os ratinhos, mas a analogia se faz necessária. 
E, como estou inspirada, vai mais uma: "O verdadeiro amigo não é aquele que enxuga as tuas lágrimas, mas sim aquele que suporta as tuas vitórias".
Beijokas e uma ótima sexta-feira a todos.


8 de set de 2010

Vote pelos animais!

Eles não podem votar, mas nós podemos votar pensando neles.
Achei essa atitude do WSPA muito inteligente. Aliás, todas as campanhas deles são bárbaras.
Num momento tão importante para todos nós, onde devemos decidir o nosso futuro, e no meio de tanta bandalheira e palhaçada que vemos na campanha eleitoral, é bom ter algo que diferencie o candidato e que nos ajude a escolher em quem votar.
Quem gosta de bicho e luta por essa causa deve ser gente boa.
Visitem o site e ajudem a divulgar: http://www.votepelosanimais.org.br/



Beijokas

7 de set de 2010

Brava gente brasileira!

Daqui da terra da Esquadrilha da Fumaça, um detalhe importante a lembrar no dia em que comemoramos a Independência do Brasil:  temos que agradecer a um português!
E num momento de inspiração patriota, vamos relembrar o Hino da Independência, com letra de Evaristo da Veiga e música do próprio D.Pedro I, o português, e que quando eu era menina, sempre se cantava na escola. Hoje, acho que a molecada nem sabe que existe, ou então deve cantar em ritmo de funk ou rap. Aqui, a letra completa.

Já podeis da Pátria  filhos
Ver contente a Mãe gentil;
Já raiou a Liberdade
No Horizonte do Brasil
Já raiou a Liberdade
No Horizonte do Brasil

Refrão:
Brava Gente Brasileira
Longe vá, temor servil;
Ou ficar a Pátria livre,
Ou morrer pelo Brasil.
Ou ficar a Pátria livre,
Ou morrer pelo Brasil.

Os grilhões que nos forjava
Da perfídia astuto ardil,
Houve Mão mais poderosa,
Zombou deles o Brasil.
Houve Mão mais poderosa
Zombou deles o Brasil.


(Refrão)
O Real Herdeiro Augusto
Conhecendo o engano vil,
Em despeito dos Tiranos
Quis ficar no seu Brasil.
Em despeito dos Tiranos
Quis ficar no seu Brasil.


(Refrão)
Ressoavam sombras tristes
Da cruel Guerra Civil,
Mas fugiram apressadas
Vendo o Anjo do Brasil.
Mas fugiram apressadas
Vendo o Anjo do Brasil.

(Refrão)
Mal soou na serra ao longe
Nosso grito varonil;
Nos imensos ombros logo
A cabeça ergue o Brasil.
Nos imensos ombros logo
A cabeça ergue o Brasil.


(Refrão)
Filhos clama, caros filhos,
E depois de afrontas mil,
Que a vingar a negra injúria
Vem chamar-vos o Brasil.
Que a vingar a negra injúria
Vem chamar-vos o Brasil.


(Refrão)
Não temais ímpias falanges,
Que apresentam face hostil:
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.


(Refrão)
Mostra Pedro a vossa fronte
Alma intrépida e viril:
Tende nele o Digno Chefe
Deste Império do Brasil.
Tende nele o Digno Chefe
Deste Império do Brasil.

(Refrão)
Parabéns, oh Brasileiros,
Já com garbo varonil
Do Universo entre as Nações
Resplandece a do Brasil.
Do Universo entre as Nações
Resplandece a do Brasil.


(Refrão)
Parabéns; já somos livres;
Já brilhante, e senhoril
Vai juntar-se em nossos lares
A Assembléia do Brasil.
Vai juntar-se em nossos lares
A Assembleia do Brasil.

(Refrão)

6 de set de 2010

Ainda as perguntas

Olá. Depois do meu último post fiquei curiosa em saber o que vocês pensam, quais as perguntas que intrigam cada um de vocês. Que tal responder? A minha pesquisa deve abrir com a página em pop-up, ou, se você tiver esse serviço bloqueado, clique aqui e responda. É rápido, uma perguntinha só para matar a minha curiosidade.
Assim fico sabendo se sou maluca mesmo ou se tem mais seres do mesmo planeta vivendo por aí.
Beijokas

4 de set de 2010

Perguntas que não querem calar...

Durante toda a minha vida fiz, como todos, muitas descobertas. Uma boas, outras nem tanto. Mas o que mais me deixa irritada são as coisas que não descobri. São perguntas para as quais não encontro respostas, e para outras, a resposta que encontro não quero aceitar.
Senão vejamos. Por que os carros saem de fábrica com motores preparados para chegar até 300km por hora, se só podemos dirigir a 120? Por que se fabricam cigarros, se o fumo mata? Por que criam uma lei exigindo cadeirinhas especiais para transporte de crianças nos carros, se não existe produção suficiente que atenda a população? Por que prendem o drogado e não evitam que a droga entre no país? Por que um homem rico assassino confesso está solto, e um rapaz preso por engano, e cuja vítima já o inocentou continua preso? Por que pagamos tantos impostos e ainda temos que pagar segurança particular, escola particular, convênio médico? Por que eu não conheço ninguém que vai votar no candidato que está à frente nas pesquisas? Por que um menor é criança para ser preso, mas não é para matar e roubar? Por que ele é criança até seus 17 anos 364 dias, e no dia seguinte, à meia-noite, já é adulto e ganha de presente de aniversário o perdão por seus crimes? Por que cotas para negros se também existem brancos pobres e negros ricos? Por que um preso que matou um pai de família tem direito a auxílio reclusão, e a família vítima desse preso não consegue auxílio doença para a mãe que caiu em depressão? Por que distribuir terra para uns enquanto outros têm que trabalhar, estudar, tentar um financiamento, para as vezes morrerem sem ter casa própria? Por que as pessoas vão à igreja para olharem as roupas dos outros e depois fofocarem na saída? Por que quem critica quem ajuda animais, não adota crianças? Porque não liberam e regulamentam a criação de animais ameaçados de extinção em cativeiro, impedindo assim o tráfico?
Poderia ficar dias colocando meus porquês aqui, são infinitos, mas acho que ficaria um texto muito chato, e no final vocês iriam ficar deprimidos.
Para muitas dessas perguntas a resposta é "POR DINHEIRO". E é essa a resposta que não posso aceitar. Não aceito que algo que serve para ajudar tanta gente, algo que deveria ser usado somente para o bem, é usado de forma tão suja. Sim, porque acredito no lado bom do dinheiro. O dinheiro é algo bom, o que fazemos com ele é que o torna maléfico ou benéfico. Ou seja, a maldade ou a bondade não pertencem ao dinheiro, não estão amarradas a ele, elas pertencem ao ser humano, a espécie hipócrita que habita o planeta terra.
Para as outras, sinceramente não consigo achar respostas, e quer saber? Acho que prefiro continuar assim.
Até mais!


3 de set de 2010

Me aguenta agora! rsrsrs

Olá amigos. Tenho novidades.
Fui convidada e vou participar no dia 15/09 da Mesa Redonda sobre Música e linguagens sonoras no "6º encontro de música e mídia" que acontecerá de 15 a 17 de setembro de 2010, na Universidade de São Paulo.
No dia 16/09 haverá uma homenagem ao Professor Manuel Marques, que está deixando o Brasil definitivamente ainda este ano.
Vou abordar os temas: Música Portuguesa no Brasil e a Web Rádio.
Mais informações sobre o evento, visitem: http://www.musimid.mus.br/6encontro/index.html
As vagas são limitadas, mas para a homenagem ao Professor Marques, gostaria de ter presente a colônia em peso. Ele merece e todas as homenagens que fizermos ainda serão poucas perto do belíssimo trabalho que ele realizou aqui no Brasil. Me ajudem a divulgar.
Volto depois pra escrever mais. Ai, tô nervosa, mas muito honrada com o convite.
Beijokas

1 de set de 2010

Relevante e Revoltante

artigo da jornalista Eulália Moreno que me permito reproduzir aqui:

"A Marejada em Itajaí, SC, precisa mudar de nome porque de Festa Portuguesa não tem nada" por Eulália Moreno, em 01/09/2010

O bizarro continua acontecendo um pouco por todo o lado quando se trata de eventos , supostamente, de conotação luso-brasileira. Recentemente em São Paulo, no 90º aniversário da Portuguesa de Desportos a dupla sertaneja, decadente, Gian e Giovani não satisfeitos em apresentar o seu mau espectáculo nada a ver com as tradições portuguesas, ainda destrataram o público fazendo gestos obscenos para os presentes.
A 24a. edição da Marejada que acontece entre os dias 8 e 24 de Outubro no Centro de Eventos de Itajaí, no Estado de Santa Catarina, é denominada a MAIOR FESTA PORTUGUESA E DO PESCADO NO BRASIL mas como atrações apresenta este ano o Jeito Moleque e esse fenomeno debilóide Luan Santana, dentre outros. Para adoçar o bico dos patrocinadores portugueses , reservaram uma noite para Roberto Leal e sua banda. Já assisti a várias edições da Marejada, inclusive num espaço que imitava uma casa de fados lisboeta e ali ouvi os nossos fadistas e guitarristas apresentarem música portuguesa da melhor.
De uns tempos para cá, acabou-se a casa de fados, conservaram-se alguns quiosques para comercialização de doces ditos portugueses, um estande vendendo bolinhos de bacalhau e a exibição de alguns jovens com trajes típicos dos Açores ( o Estado de Santa Catarina foi colonizado por açorianos ainda no século XVII) . Mais nada.
Mude-se o nome, urgentemente. Retire-se a "Festa Portuguesa" que serve de chamariz para os incautos e sobrevivam apresentando sertanejos, bolinhos de aipim , de fubá e pastéis de feira com caldo de cana.

Abraço - Eulalia Moreno - São Paulo"

--------------------------------------

Amiga Eulália, o pior é que ninguém faz nada. Não temos ninguém nos órgãos oficiais que se importe com cultura aqui no Brasil. E olha que este ano os organizadores mandaram uma correspondência aos fadistas pedindo propostas. Garanto que os valores de caché dos nossos artistas não devem passar nem perto do que vão pagar para o Luan, o Jeito Moleque e o Roberto Leal. E quando contatam nossos artistas ainda ficam chorando preço! Não me refiro só a Marejada.
Pior ainda é a CONIVÊNCIA de quem deveria por OBRIGAÇÃO divulgar a cultura portuguesa. VERGONHOSO! O que eles querem é aparecer, a cultura lusa que se lixe!
Ai que saudades que eu tenho do tempo que cuidavam da cultura portuguesa no Brasil, ai que saudades!





"LUJINHA" DA CLAUDINHA

http://www.zazzle.com.br/clautulimoschi*

wibiya widget